REVISTA
 

 
 
Ganhos na qualidade alimentar dos lanches escolares das crianças do ensino primário.
Figueiredo, Maria Henriqueta, Escola Superior de Enfermagem do Porto, CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde
Guedes, Virginia, Centros de Saúde Tâmega I-Baixo Tâmega, CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde
Cotrim, Hortense, Escola Superior de Saúde Atlântica, CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde
Coelho, Lotário, Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga, Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga
Oliveira, Ana Maria, Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga, Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga
Ferreira, Maria Manuela, Escola Superior de Saúde Norte da Cruz Vermelha Portuguesa, CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde
Resumo
A idade escolar representa uma janela de oportunidade para se adquirirem hábitos alimentares saudáveis. A escola é uma instituição fundamental na formação destes hábitos, nomeadamente os lanches escolares, na medida em que proporciona uma aprendizagem formal colaborativa com a família. Pretendeu-se caracterizar a qualidade alimentar dos lanches escolares das crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico e os seus determinantes individuais e sociais de saúde; avaliar os ganhos na qualidade alimentar dos lanches escolares das crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico, sensíveis ao projeto “Lanches saudáveis”. Estudo quantitativo, quase-experimental sem grupo de controlo. Participaram no estudo 753 crianças do 1º CEB de um Concelho da Região Centro de Portugal no ano letivo 2018/2019 (amostra de base populacional). A intervenção consistiu na realização de sessões de educação para a saúde e ensinos adaptados a cada criança, no início do projeto e aquando da avaliação cega dos lanches escolares. Os registos da qualidade alimentar dos lanches foram feitos, através de grelha criada para o efeito, pelos professores após treinamento dos critérios de classificação dos lanches. A avaliação foi cega realizada durante 5 semanas do 2º e 3º período. Ao longo do desenvolvimento do projeto verificou-se uma melhoria continua e gradual da qualidade alimentar dos lanches escolares por parte dos participantes. As meninas apresentaram melhor qualidade alimentar dos lanches escolares que os meninos. A intervenção realizada foi eficaz na melhoria da qualidade alimentar dos lanches escolares das crianças com resultados estatísticos altamente significativos. O projeto de promoção da alimentação saudável traduziu-se na melhoria da qualidade alimentar dos lanches escolares das crianças. Os resultados sugerem a necessidade ampliar a implementação do projeto a outras crianças numa perspetiva de saúde em todas as políticas e de um trabalho colaborativo para promover o exercício da parentalidade e a saúde das crianças.
Palavras-Chave
Avaliação familiar; Serviços de Saúde Escolar; Segurança de produtos ao Consumidor; alimentos; lanches.
Abstract
School age represents a window of opportunity to acquire healthy eating habits. The school is a fundamental institution in the formation of these habits, namely school snacks, insofar as it provides formal collaborative learning with the family. It was intended to characterize the food quality of school meals for children in the 1st Cycle Basic Education and their individual and social health determinants; to evaluate the gains in food quality of school meals for children in the 1st Cycle Basic Education, sensitive to the “Healthy snacks” project. Quantitative study, quasi-experimental study without a control group. 753 children from the 1st CEB of a municipality in the Central Region of Portugal participated in the study year 2018/2019 (population-based sample). The intervention consisted of health education sessions and lessons adapted to each child, at the beginning of the project and when blindly evaluating school snacks. The records of the food quality of the snacks were made, through a grid created for the purpose, by the teachers after training the classification criteria of the snacks. The evaluation was performed blindly during 5 weeks of the 2nd and 3rd periods. During the development of the project, there was a continuous and gradual improvement in the food quality of school snacks by the participants. Girls showed better food quality in school snacks than boys. The intervention performed was effective in improving the food quality of children's school snacks with highly significant statistical results. The project to promote healthy eating resulted in improving the food quality of children's school snacks. The results suggest the need to expand the project's implementation to other children from a health perspective in all policies and collaborative work to promote the exercise of parenting and children's health.
KeyWords
Family assessment; School Health Services; Consumer Product Safety; Food; Snacks