REVISTA
 

 
 
Editorial
Número: 1, Volume: 17
1º Semestre de 2013

EDITORIAL

Tendo participado activamente no processo de construção da ui&de e na edição da sua revista desde o início é com enorme prazer que assumo as funções de coordenadora da unidade e por inerência da sua Revista.

Desde o nascimento da revista até hoje muito caminho foi percorrido e a revista sofreu um conjunto de transformações significativas, tendo em vista a afirmação da investigação em enfermagem. Com base no balanço apresentado no Editorial da última edição da revista, pela anterior directora, Mª Antónia Rebelo Botelho, cuja persistência foi fundamental na sua consolidação, podemos constatar os resultados de um percurso e tomar consciência do salto qualitativo que representa hoje, face aos primeiros números da revista. Foram alcançadas duas grandes metas, nomeadamente a facilitação do acesso à produção científica através da publicação digital online gratuita, e ainda a inscrição da revista nas bases de dados (FUENTE ACADÉMICA E EBSCO) ampliado o seu campo de divulgação.

Estamos ainda longe do que entendemos ser desejável em termos da divulgação da produção científica. Esta é para nós uma área de investimento prioritário e merecerá todo o nosso empenho. Neste sentido podemos anunciar desde já que prevemos para breve a integração da revista na base de dados da ProQuest.

A enfermagem encontra-se hoje, quando a comparamos com há mais de 30 anos atrás, numa posição mais favorável no que ao reconhecimento da sua disciplina diz respeito. Não podemos no entanto, ignorar que alguns obstáculos permanecem e parecem revelar-se cada vez mais, como difíceis de ultrapassar. Estes obstáculos colocam-se quer no plano do financiamento da sua investigação, como no assumir pleno do Ensino de Enfermagem como um processo de nível Universitário. A ausência de inclusão do seu campo de investigação como um campo autónomo e carecido de financiamento ao nível das estruturas internacionais e nacionais dificulta a realização de projectos mais ambiciosos e com maior impacto ao nível dos cuidados. A manutenção do ensino de enfermagem ao nível do Ensino Politécnico contribui para desvalorizar a missão investigativa dos docentes.

Ambas as situações enfraquecem a posição de partida dos seus projectos de investigação face às comissões de avaliação, que muito embora elejam como prioritárias áreas reflectidas pelos enfermeiros, optam por estudá-las a partir de outros saberes disciplinares.

Neste momento, apesar dos obstáculos financeiros que se colocam em todos os sectores da sociedade necessitamos mais do que nunca de afirmar o conhecimento em enfermagem.

Este propósito vai nortear o nosso trabalho futuro. Nele empenharemos todos os esforços no sentido de reforçar o potencial científico da revista e de expandir a sua divulgação aos diferentes grupos do campo da saúde.

Neste número podemos encontrar três revisões sistemáticas da literatura e um artigo de investigação.

Desejando que os jovens investigadores assumam a construção do saber em enfermagem como uma prioridade e a sua divulgação na “Pensar Enfermagem” como uma mais-valia, faço votos para que a revista se afirme no cenário editorial português como uma referência incontornável.



Artigos
Vilelas, José ; Lucas, Isabel; Silva, Isabel; Nunes, Ana; Neves, Isabel
Escala de Fatores de Resiliência de Takviriyanun: Propriedades Psicométricas da Versão Portuguesa


D’Espiney, Luísa
Editorial


Alves, Patrícia
Intervenção do Enfermeiro que Cuida da Pessoa em Fim de Vida com Alterações do Comer e Beber


Simões, Ângela
Cuidados em Fim de Vida em Lares de Idosos. Revisão Sistemática da Literatura.


Lana, Letice; Rodrigues, Marlene; Ramos, Iara; Portela, Odete; Schmidt, Alberto
Produção do Conhecimento sobre Satisfação do Utilizador Internado em Hospital Público