Vol. 23 N.º 2 (2019): Revista Científica Pensar Enfermagem
Artigos originais

Pares peritos como educadores: projeto de adaptação de um programa de educação para a autogestão em adolescentes com diabetes mellitus tipo 1

Maria Isabel Dias da Costa Malheiro
Escola Superior de Enfermagem de Lisboa
Maria da Graça Vinagre da Graça
Escola Superior de Enfermagem de Lisboa
Inês Carnall Figueiredo
Hospital Fernando da Fonseca, Lisboa, Portugal

Publicado 30-01-2020

Palavras-chave

  • Autogestão,
  • Programa de Educação,
  • Diabetes Tipo 1,
  • Pares peritos

Como Citar

Dias da Costa Malheiro, M. I., Vinagre da Graça, M. da G., & Carnall Figueiredo, I. (2020). Pares peritos como educadores: projeto de adaptação de um programa de educação para a autogestão em adolescentes com diabetes mellitus tipo 1. Pensar Enfermagem - Revista Científica | Journal of Nursing, 23(2), 17–28. Obtido de https://pensarenfermagem.esel.pt/index.php/esel/article/view/160

Resumo

As atuais orientações em saúde preconizam a responsabilização dos individuos com condição crónica para o autocuidado, destacando o papel fundamental dos profissionais de saúde na sua capacitação e educação para as competências de autogestão. Nos ultimos anos a literatura tem destacado os programas de educação para a autogestão da condição crónica como uma abordagem holistica que envolve não só as necessidades especiais de saúde (tratamentos terapêutica e funcionalidade), como também as necessidades psicoafetivas e sociais. A evidência comprova a efetividade das intervenções psicoeducativas e destaca o programa de educação para a autogestão da condição crónica de Kate Lorig “Expert Patients Programme” que demonstrou ser eficaz em adultos e idosos pelos benefícios para a saúde, redução das hospitalizações e complicações, aumento significativo na adesão ao regime terapêutico e melhoria na qualidade de vida relacionada com a saúde e bem-estar, programa que foi adaptado e validado quanto à sua efetividade para adolescentes com Spina Bifida (SB)(Malheiro 2015). Deste modo, com base no programa de educação para adolescentes com SB, propomo-nos adaptar este programa, que utiliza pares peritos como educadores, para adolescentes com Diabetes Mellitus Tipo 1 (DM1), implementar e avaliar a sua efetividade nas competencias de autogestão, qualidade de vida, conhecimentos, autoeficácia e HbA1c. O programa distingue-se pela natureza inovadora das metodologias
e estratégias utilizadas como o regime de tutoria entre pares (persuasão social), os Lay Led’s (educação por jovens adultos peritos na autogestão DMI) e pelas estratégias psicopedagógicas utilizadas nas sessões (questionamento, brainstorming, técnica de resolução de problemas, roleplaying, a automonitorização, a modelagem e o plano de ação).

Downloads

Não há dados estatísticos.