Vol. 24 N.º 1 (2020): Revista Científica Pensar Enfermagem
Artigos originais

Gestão recíproca das emoções e da informação no cuidado à criança e família: proposta de um algoritmo de atuação em enfermagem

Liliana Martinho
Enfermeira Especialista, Mestrado em Enfermagem na área de especialização em enfermagem de saúde infantil e pediatria, Centro Hospitalar do Oeste – Unidade de Torres Vedras; Serviço de Pediatria.
Paula Diogo
Professor Adjunto, Doutoramento em Enfermagem, Escola Superior de Enfermagem de Lisboa; Departamento de Enfermagem da Criança e do Jovem; Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Enfermagem

Publicado 29-09-2020

Palavras-chave

  • criança,
  • família,
  • enfermagem pediátrica,
  • emoções,
  • gestão da informação

Como Citar

Martinho, L., & Diogo, P. (2020). Gestão recíproca das emoções e da informação no cuidado à criança e família: proposta de um algoritmo de atuação em enfermagem. Pensar Enfermagem - Revista Científica | Journal of Nursing, 24(1), 7–15. Obtido de https://pensarenfermagem.esel.pt/index.php/esel/article/view/165

Resumo

A experiência de hospitalização que a criança e a sua família vivenciam poderá, por um lado, espoletar estados emocionais perturbadores e impeditivos ao entendimento e assimilação da informação transmitida e, por outro lado, a informação insuficiente também poderá conduzir à falta de sentimento de controlo e emocionalidade negativa. Considerando a reflexão sobre a prática sustentada em evidência científica, emergiu a proposta de um algoritmo de intervenção em enfermagem. Este algoritmo pretende dar contributos efetivos para a prática quotidiana dos enfermeiros. Pretende-se que a sua consulta, rápida e estruturante, seja direcionada à intervenção de enfermagem no que diz respeito à gestão recíproca das emoções e da informação na abordagem
à criança e família. O seu desenvolvimento foi subsidiado por conceções teóricas dominantes como o modelo de sistemas de Betty Neuman, a teoria do cuidar de Jean Watson e orientações específicas de cuidados pediátricos, nomeadamente os cuidados centrados na família, a parceria de cuidados, os cuidados não traumáticos e o modelo de trabalho emocional em enfermagem pediátrica. Procedeu-se à utilização sistemática do algoritmo em diversas situações de cuidados e diversos contextos de pediatria, nomeadamente em internamento cirúrgico e urgência, o que permitiu o seu aperfeiçoamento enquanto instrumento de enfermagem. Através do mesmo, é possível a identificação das vivências emocionais potencialmente intensas e as respostas emocionais negativas, selecionando e adequando as estratégias de enfermagem à singularidade do cliente pediátrico.

Downloads

Não há dados estatísticos.